Escrito por Enilda Falcão Lins    Qua, 26 de Fevereiro de 2014 12:59
PDF
Caminhando com passos firmes
Tamanho da Fonte

Habacuque 3 .19.

“O Senhor Deus é a minha força. Ele torna o meu andar firme." Habacuque 3 .19.

Sofrer com problemas nos joelhos e nas pernas deve ser uma coisa terrível, pois deixa a pessoa impossibilitada de andar com desenvoltura, com passos firmes. É tão bom quando podemos andar desembaraçadamente, correr, saltar, pular, com nossos movimentos livres, pernas e pés firmes!

O texto da meditação de hoje nos traz um grande alento, senão, vejamos: “O Senhor Deus é a minha força. Ele torna o meu andar firme." Habacuque 3 .19. O Senhor nos dá pés como de uma corça, que é um animal veloz, que corre nos campos, sobe e desce montanhas, pula obstáculos e, foge dos inimigos que aparecem na sua frente. Através da força que o Senhor nos dá, podemos, pois, escalar montanhas íngremes, andar por caminhos escorregadios com os quais nos deparamos no transcorrer da nossa existência.

Quando lidamos com situações complicadas, ou quando temos que enfrentar tentações fortes que são difíceis de resistir, ou ainda quando a vida torna-se dura e temos que enfrentar um desemprego, uma enfermidade, uma perseguição, seja lá o que for que nos traz aflição, muitas vezes nos sentimos derrotados, com as pernas trêmulas, ficamos sem ação, nos tornamos presas fáceis para o inimigo. Em momentos assim, sentimos uma sensação de derrota, de frustração, de impossibilidade. É nessas circunstâncias que devemos lembrar que nunca estamos sozinhos, pois, o Senhor está sempre nos cercando, nos observando e acompanhando. Ah! Que bom saber que Deus nos dá força para que possamos permanecer firmes e corajosos quando as coisas ficam ruins!..

Agora indago: Será que Deus nos dá de imediato esses pés firmes? Será que automaticamente ou milagrosamente nossos pés ficam como pés das corsas? O poeta sacro escreveu: “Sua fé Jesus contemplará, sim, o que Jesus promete dá. Ele vê o coração e responde a petição. Sua fé Jesus contemplará.”. Sim, existe o elemento fé. Será que estamos deixando as coisas acontecer, desiludidos, achando que não há mais jeito? Ou será que mesmo fraquinhos, estamos levantando o nosso clamor ao Senhor, certos de que Ele nos ouve? Estamos crendo na hora da aflição, que Ele fará o nosso andar firme? Em Hebreus 11 . 1 lemos: “Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não veem”. Precisamos exercitar a fé nesses momentos. Pode acontecer do socorro do Senhor chegar de imediato, e pode ser que demore um pouquinho, e nem por isso devemos desanimar e deixar de crer que Ele virá em nosso auxílio.

Nos momentos mais angustiantes de nossa existência, quando estamos aflitos, devemos levantar com fé um clamor ao Senhor, um grito de socorro! Ele está contemplando a nossa fé, e, pronto a responder a nossa oração. Muitas vezes Deus não responde de imediato a nossa oração, porque Ele deseja que sejamos disciplinados, que aprendamos a lição da paciência, da dependência, e da obediência. Quantas vezes Ele permite que passemos pela experiência do escorregar e quase cair, pelo fato de termos por conta própria resolvido escalar uma montanha sem sua ajuda! O profeta Habacuque exclamou: “Quando ouvi tudo isso, eu fiquei assustado, e os meus lábios tremeram de medo. Perdi todas as forças e não pude ficar de pé”. Habacuque 3 .16. É assim que nos sentimos quando estamos em situação de perigo, quando nos sentimos ameaçados, trememos de medo, ficamos apavorados. Mesmo estando se sentindo assim, o profeta resolveu esperar com tranquilidade, o Senhor agir no momento d’Ele.

Não podemos é desistir, e ficar inertes. Não! Davi quando passava por momentos de tribulações, não desanimava. No Salmo 61. 1-3, ele escreveu: “Ó Deus, ouve o meu grito de angústia! Escuta a minha oração. Põe-me em segurança numa rocha bem alta, pois tu és o meu protetor, o meu forte defensor contra os meus inimigos.” No Salmo 18. 4-6 Davi diz: “Laços de morte me cercaram, torrentes de impiedade me impuseram terror. Cadeias infernais me cingiram, e tramas de morte me surpreenderam. Na minha angústia, invoquei o Senhor, gritei por socorro ao meu Deus. Ele do seu templo ouviu a minha voz, e o meu clamor lhe penetrou os ouvidos.”. Da mesma forma fez Pedro quando se viu ameaçado pelas águas profundas e revoltas do mar, que o ameaçava tragar, sentindo que estava afundando e que o Mar da Galileia seria sua sepultura, clamou por socorro a Jesus, fazendo uma curta oração, mas que foi prontamente atendida: “Salva-me, Senhor!” (Mateus 14 .30). Jesus se aproximou, estendeu sua mão e salvou aquele discípulo amedrontado. Bem que Pedro poderia repetir as palavras de Davi: “Do alto me estendeu ele a mão e me tomou; tirou-me das muitas águas.” (Salmo 18.16).

Nós também podemos ser socorridos em meio às mais adversas circunstâncias, às mais atrozes tentações, quando enfrentamos os grandes perigos desses momentos tão difíceis que estamos vivendo, em meio ao pecado que tão tenazmente nos rodeia. Podemos e devemos clamar por socorro, e Jesus Cristo virá prontamente em nosso auxílio, para nos socorrer e salvar, ou, pode ser que não nos atenda prontamente, mas, está nos cercando, enquanto estamos sendo disciplinados e aprendendo lições preciosas, aguardando assim, o momento certo de agir. Observemos o que disse Davi no Salmo 18.29: “Pois contigo desbarato exércitos, com meu Deus salto muralhas”. Ele também disse nos Salmos 60 .12 e 108. 13: “Em Deus faremos proezas, porque ele mesmo calca aos pés os nossos adversários”. Essas afirmações testificam de um homem que aprendera a caminhar com Deus e a confiar n’Ele. Mesmo sendo Davi um homem com fraquezas e erros como nós, ainda assim, esses textos testemunham que Davi se agarrava com toda a simplicidade ao seu Deus e por meio d’Ele podia fazer grandes proezas.

De tudo quanto foi dito, podemos concluir que há momentos em que necessitamos urgentemente de pés como de corça. Pés ligeiros, velozes, sobrenaturais. Recapitulemos o texto em meditação: “O Senhor Deus é a minha força. Ele torna o meu andar firme." Habacuque 3 .19. Deus transforma nossos pés humanos, lentos, trôpegos, embaraçados, em pés de corça. Ele muda nossa maneira humana de solucionar os problemas, por sua maneira sobrenatural e, sendo assim, nos faz andar por lugares altos, nos dá agilidade, e nos faz saltar obstáculos que humanamente seriam impossíveis de ser transpostos.

Reflexão: Encaremos nossos tropeços, nossas dificuldades e aflições de forma positiva, tirando deles lições preciosas de vida, que contribuirão para o nosso crescimento espiritual. Através de cada momento desses, Deus está mostrando que somos incapazes de vencer sem Ele. Se começamos a cair, Ele pode até demorar um pouquinho a nos socorrer, sem, no entanto, nos abandonar, para que aprendamos que pés firmes não são produtos da nossa própria força, mas, que esses pés, são frutos de nossa fé n’Ele e no Espírito Santo que em nós habita. Pensemos nisso!

 

Enilda Falcão Lins

Enilda LinsDrª.Enilda Lins, esposa do Pr. Isaías Andrade Lins Filho há 48 anos. Mãe de 3 (três) filhos, avó de 6(seis) netos. É Bacharel em Direito, advoga, é especialista na área de Direito de Familia, sendo Membro Efetivo do Instituto Brasileiro de Direito de Familia - IBDFAM.

Exercendo a advocacia há mais de trinta anos, a dra. Enilda Lins já exerceu diversas atividades no Serviço Público Municipal e também no Serviço Público Federal. Escritora de diversos artigos publicados em revistas e sites de cunho evangélico.


Autor deste Artigo: Enilda Falcão Lins

Exibir outros Artigos deste Autor

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Arquivos Recentes

Planejamento 2014 Download

Login Form

Informe seus dados de acesso

Esqueceu sua senha? Registrar-se

Siga também...