Escrito por Enilda Falcão Lins    Sáb, 21 de Setembro de 2013 05:10
PDF
Quando nada vai bem
Tamanho da Fonte

Habacuque 3 . 17-19.

“Ainda que as figueiras não produzam frutas, e as parreiras não deem uvas; ainda que não haja azeitonas para apanhar nem trigo para colher; ainda que não haja mais ovelhas nos campos nem gado nos currais, mesmo assim eu darei graças ao Senhor e louvarei a Deus o meu Salvador.” Habacuque 3 .17-18.

No texto em destaque temos um trecho da oração do profeta Habacuque, que se encontrava aflito diante da situação de impiedade que o povo de Deus vivia. Ele era um homem de zelo fervoroso pela causa de Deus, e a aparente indiferença do Senhor o deixava angustiado. Podemos observar no livro de Habacuque a preocupação do profeta com o problema da prosperidade do ímpio e, também porque Deus ficava silencioso em tempos de aflições. Uma coisa importante a salientar é que em todas as dificuldades, o profeta buscava ao Senhor em oração. Ele subia a torre de vigia e ficava esperando a resposta de Deus. “Vou subir a minha torre de vigia e vou esperar com atenção o que Deus vai dizer e como vai responder à minha queixa”. Habacuque 2 .1. A “torre de vigia” é o lugar onde ficamos a sós com Deus em oração, levando a Ele o nosso clamor, as nossas aflições, o nosso pedido de socorro. É quando nada vai bem, que sempre procuramos a “torre de vigia”. É quando estamos entrando em desespero, quando nada parece ter mais solução, tudo parece perdido, quando parece que chegamos ao fim, ou mesmo quando nos sentimos gravemente ameaçados, que corremos para lá.

 


Quando tudo vai bem conosco, temos a tendência de nos descuidar das coisas espirituais. Afastamos-nos mais da “torre de vigia”, que vai ficando esquecida, até que certo dia nós somos atingidos pela tribulação e, então, corremos para lá, em busca do auxílio do Deus Altíssimo, como disse o Salmista: “Tem misericórdia de mim, ó Deus, tem misericórdia, pois em ti procuro segurança! Na sombra das tuas asas eu encontro proteção até que passe o perigo. Eu chamo o Deus Altíssimo; eu chamo a Deus, que me ajuda em tudo” (Salmo 57.1-2).

O texto em destaque é chamado de “Cântico de Habacuque”. Mesmo diante de tantos problemas, ameaças, quando nada ia bem, o profeta rasga seu coração diante de Deus e explode em um cântico de fé, esperança, de louvor e gratidão, demonstrando sua total dependência d’Ele. Vejamos o que disse Habacuque: “Ainda que as figueiras não produzam frutas, e as parreiras não deem uvas; ainda que não haja azeitonas para apanhar nem trigo para colher; ainda que não haja mais ovelhas nos campos nem gado nos currais, mesmo assim eu darei graças ao Senhor e louvarei a Deus o meu Salvador.” Habacuque 3 . 17-18. Ele usou figuras importantes para o povo daquela época, como a figueira, parreiras, azeitonas, trigo, ovelhas, gado, tudo o que era fundamental para a subsistência daquele povo e, que o manteria com integridade física e econômica, com condição de viver. E num rasgo de fé, disse que tudo poderia faltar, mas, mesmo assim, ele daria graças ao Senhor e louvaria a Deus o seu Salvador. Que inspiração para todos nós!

Dificuldades, problemas, dias difíceis, todos nós temos ou enfrentaremos um dia. O importante é a maneira como reagiremos e enfrentaremos tais problemas. Às vezes somos afligidos pelo desemprego, por uma enfermidade grave, a morte de um ente querido, são inúmeros problemas que temos de enfrentar. Pode ser no trabalho através da perseguição do chefe, falta de dinheiro para colocar o mantimento em casa para alimentar a família com dignidade. Dificuldades, problemas, geram inconformismo. Geralmente não aceitamos que tais coisas nos atinjam e, se não tomarmos uma postura diferente, cairemos na rede da depressão, na teia do medo, e na onda da revolta. Observemos que Habacuque correu para a “torre de vigia”. Tempos difíceis, de problemas, de enfermidades, desempregos, etc, devem n os levar à oração. Isto sim! Claro que devemos orar em todo tempo, mas, em tempos difíceis o nosso clamor deve ser muito maior. Não podemos também nos acomodar e nos contentar apenas com os recursos humanos, mas, ir muito mais além, em busca d’Aquele que tem a solução para todos os problemas.

Dificuldades, problemas devem gerar fé em nós. Assim como foi com Habacuque. Nas tribulações não podemos nos entregar ao desespero e muito menos à incredulidade, mas, devemos cultivar um coração cheio de esperança, certeza e fé, quanto à providência de Deus, conforme lemos no Salmo 33. 18-22, “É o Senhor Deus quem protege aqueles que o temem, é ele quem guarda aqueles que confiam no seu amor. Ele os salva da morte e nos tempos de fome os conserva com vida. Nós pomos a nossa esperança em Deus, o Senhor; ele é a nossa ajuda e o nosso escudo.”. Pode até a resposta demorar, mas, jamais devemos esmorecer como disse o Salmista: “Esperei com paciência pela ajuda de Deus, o Senhor. Ele me escutou e ouviu o meu pedido de socorro”. Salmo 40.1. Vejamos ainda Miqueias 7:7, que diz: “Eu, porém, ponho a minha esperança em Deus, o Senhor, e confio firmemente que ele me salvará. O meu Deus me atenderá.”.

Dificuldade, problemas exigem de nós total dependência de Deus. Em meio aos problemas, aos dias difíceis, Habacuque não ficou desesperado e muito menos revoltado, não ficou se lamentando, com crise de autocomiseração e, nem tampouco se afastou de Deus.  É bem verdade que no momento em que a dificuldade chega para nós, ficamos baqueados, apreensivos, mas, a maneira como vamos reagir é que vai fazer toda a diferença. Habacuque reagiu diferente. Ele não se queixou de Deus, mas, foi à presença do Todo Poderoso e apresentou a sua queixa, se aproximou de Deus e se dedicou à oração, e através dela declarou a sua dependência de d’Ele bem como a certeza que possuía no coração de que apenas o Senhor seria capaz de resolver seus problemas e sustentá-lo em meio às dificuldades. Esta deve ser a nossa atitude: Aproximarmos-nos de Deus. Davi no Salmo 63. 1 diz: “Ó Deus, tu és o meu Deus; procuro estar na tua presença. Todo o meu ser deseja estar contigo; eu tenho sede de ti como uma terra cansada, seca e sem água.” Vale a pena fazer a leitura de todo este Salmo.

Reflexão
: Muitos podem indagar: Dar graças a Deus quando nada vai bem? Também louvar a Deus nesses momentos? Sim! Vamos dar graças a Deus e louvá-lo também. Paulo nos ensinou o seguinte:
“Em tudo, dai gra ças, porque esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco”. 1 Tessalonicenses 5:18 . O salmista disse: “Louvarei ao Senhor em todo o tempo; o seu louvor estará continuamente na minha boca.” Salmo 34.1. Quando Deus permite que passemos por esses momentos difíceis, Ele tem propósitos. Ele deseja fazer algo muito especial em nossa vida. Pode estar nos moldando, nos ensinando a ser mais dependentes d’Ele, a ter uma fé mais robusta no Todo Poderoso. De uma coisa eu tenho certeza, e a Bíblia é quem me diz: “Pois sabemos que todas as coisas trabalham juntas para o bem daquele s que amam a Deus, daqueles a quem Ele chamou de acordo com seu plano”. Romanos 8 .28. Portanto, quando nada vai bem, corramos para a “torre de vigia” e só saiamos de lá com a resposta de Deus. Amém?


 

 

Enilda Falcão Lins

Enilda LinsDrª.Enilda Lins, esposa do Pr. Isaías Andrade Lins Filho há 48 anos. Mãe de 3 (três) filhos, avó de 6(seis) netos. É Bacharel em Direito, advoga, é especialista na área de Direito de Familia, sendo Membro Efetivo do Instituto Brasileiro de Direito de Familia - IBDFAM.

Exercendo a advocacia há mais de trinta anos, a dra. Enilda Lins já exerceu diversas atividades no Serviço Público Municipal e também no Serviço Público Federal. Escritora de diversos artigos publicados em revistas e sites de cunho evangélico.


Autor deste Artigo: Enilda Falcão Lins

Exibir outros Artigos deste Autor

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Arquivos Recentes

Planejamento 2014 Download

Login Form

Informe seus dados de acesso

Esqueceu sua senha? Registrar-se

Siga também...