Escrito por Enilda Falcão Lins    Sex, 06 de Abril de 2012 14:32
PDF
As Quatro Extremidades Da Cruz
Tamanho da Fonte

Efésios 3. 14-21.

“14 - Por esse motivo eu me ajoelho diante do Pai, 15 - de quem todas as famílias no céu e na terra recebem o seu verdadeiro nome. 16 - E peço a Deus que, da riqueza da sua glória, ele, por meio do seu espírito, dê a vocês poder para que sejam espiritualmente fortes. 17- Peço também, que por meio da fé, Cristo viva no coração de vocês. E oro para que vocês tenham raízes e alicerces no amor, 18 – para que assim, junto com todo o povo de Deus, vocês possam compreender o amor de Cristo em toda a sua largura, comprimento, altura e profundidade. 19 – Sim, embora seja impossível conhecê-lo perfeitamente, peço que vocês venham a conhecê-lo, para que assim Deus encha completamente o ser de vocês com a sua natureza. 20 – E agora, que a glória seja dada a Deus, o qual, por meio do seu poder que age em nós, pode fazer muito mais do que nós pedimos ou até pensamos! 21 – Glória a Deus por meio da Igreja e por meio de Cristo Jesus, por todos os tempos e para todo o sempre! Amém!”

Esta belíssima oração de Paulo aos Efésios revela grandes lições para nossa vida. Paulo era um homem de oração e, se preocupava, sobretudo, em orar pelos irmãos, pela igreja aos quais ele ajudava. A causa era nobre e precisava de contrição e humildade. Paulo orava de joelhos, diante do Pai, em sentido de reverência, de humildade.

Qual o motivo da oração do apóstolo? “Para que, segundo a riqueza da sua glória, nos conceda que sejais fortalecidos com poder, mediante o seu Espírito, no homem interior”. Este deve ser também um motivo para nossas orações. A cada dia devemos ser fortalecidos com poder. Precisamos nos alimentar espiritualmente todos os dias, a fim de que possamos prosseguir firmes e constantes, sem altos e baixos em nossa vida espiritual.

O nosso corpo físico só obtém força para se manter saudável, forte, com disposição, através de uma boa alimentação, exercícios físicos, etc, mas, Paulo orava não pelo corpo físico, mas pelo fortalecimento do homem interior e este, só pode ser revigorado pelo Espírito Santo que nele habita. É necessário que estejamos arraigados nele, assim como nos diz João 15.5: “Eu sou a videira, vós as varas: quem está em mim, e eu nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer.” Se assim estivermos unidos à Videira verdadeira, a sua seiva divina inundará os galhos que somos e, ficaremos alimentados, nos tornando cada vez mais produtivos.

Esta é também a única forma como poderemos compreender “as quatro extremidades da cruz”:

1. Largura – Na sua largura, a cruz de Cristo abrange a todas as pessoas, seja qual for a raça, classe social, indistintamente. Cristo em Marcos 16 .15 nos deixa a seguinte ordem: “Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda a criatura”.

2 – Comprimento – Abrange todos os tempos. Ela não tem o seu efeito apenas para nossos dias. Em Efésios 1.4 lemos: “Assim como nos escolheu nele antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis perante ele”. Também ela tem um efeito para o futuro, pois, II Pedro 3.9 diz: “ele não quer que alguns se percam, mas, que todos venham a arr epender-se” e, por isso ainda retarda a sua volta.

3 – Altura – Ela atingiu até o céu trazendo o Filho Amado esvaziado de Sua majestade. Em Filipenses 2 .6 lemos: “Que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus. Mas, aniquilou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens; e achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz”. Por sua altura ter trazido o Salvador, ela também nos conduzirá para o mesmo luga r: o Céu. Em João 14.1-3 Jesus nos disse: “Não se turbe o vosso coração; crede em Deus, crede também em mim. Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito: vou preparar-vos lugar. E, se eu for, e vos preparar lugar, virei outra vez e vos levarei para mim mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também”.

4 – Profundidade – A cruz de Cristo possui uma dimensão muito profunda. Através dela, Cristo suportou sofrimentos imensuráveis para expiar os nossos pecados. No Salmo 18.5 lemos: “Cordas do inferno me cingiram, laços de morte me surpreenderam”. Em I Pedro 2.24, podemos sentir a dimensão da sua cruz: “Levando ele mesmo em seu corpo os nossos pecados sobre o madeiro, para que, mortos para os pecados, pudéssemos viver para justiça; e pelas suas feridas fostes sarados.”

Reflexão: Que possamos estar cada vez mais fortalecidos em nosso homem interior, através da plenitude do Espírito Santo em nossa vida, a fim de que possamos a cada dia, compreender melhor o significado, a dimensão do amor de Cristo por nós. Amém!



 

Enilda Falcão Lins

Enilda LinsDrª.Enilda Lins, esposa do Pr. Isaías Andrade Lins Filho há 48 anos. Mãe de 3 (três) filhos, avó de 6(seis) netos. É Bacharel em Direito, advoga, é especialista na área de Direito de Familia, sendo Membro Efetivo do Instituto Brasileiro de Direito de Familia - IBDFAM.

Exercendo a advocacia há mais de trinta anos, a dra. Enilda Lins já exerceu diversas atividades no Serviço Público Municipal e também no Serviço Público Federal. Escritora de diversos artigos publicados em revistas e sites de cunho evangélico.


Autor deste Artigo: Enilda Falcão Lins

Exibir outros Artigos deste Autor

Comentários  

 
#1 Pr. Valdeni Andrade 11-01-2015 16:30
Parabéns, Enilda, pela unção de Deus nesta mensagem escrita por você para edificação da igreja e das pessoas que ainda não experimentaram a grandeza do amor de Deus. Abraços Valdeni
Citar
 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Arquivos Recentes

Planejamento 2014 Download

Login Form

Informe seus dados de acesso

Esqueceu sua senha? Registrar-se

Siga também...